sexta-feira, 12 de julho de 2013

Fugindo das Paixões da Mocidade

A juventude nos dias atuais têm enfrentado grandes dificuldades e tentações em quase todas as áreas da vida e, infelizmente, muitos por não estarem enraizados e alicerçados em Cristo caem nas armadilhas de Satanás.

O apóstolo Paulo adverte seu filho na fé, Timóteo, a fugir das paixões da mocidade, veja:

''Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor''. (2Timóteo 2:22).

Sabemos que nós, jovens, somos o alvo do Diabo, ele não mede esforços para acabar com a vida da juventude; ele tem enganado, seduzido e destruído a muitos.

Timóteo era um jovem obediente, ele foi posto como líder, enfrentou oposições e muitas dificuldades, principalmente por ser jovem. Todavia, apesar de tudo, não deixou de ser fiel e ouvia sempre as instruções do apóstolo Paulo.

Paulo advertiu Timóteo a fugir das paixões da mocidade. Mas o que é fugir? Fugir é ''correr, afastar-se, desviar-se apressadamente para escapar (a alguém, algum perigo, ou de algum lugar)''. Bom, é assim que se foge.

Mas e agora, o que são paixões da mocidade?

Paixões aqui não está se referindo apenas a relacionamentos entre um jovem e uma jovem, mas sim de todos os tipos de paixões. Estamos em constante luta contra a nossa carne, contra o Diabo e contra o mundo, estes são os nossos piores inimigos. O Diabo sabe do que a juventude gosta, e ele aproveita isso para tentar tirá-los dos caminhos do Senhor.

Desejos desenfreados, pensamentos pecaminosos, vontade intensa de satisfazer a carne etc... tudo isso são paixões da mocidade, e é contra essas coisas que devemos fugir! Reparem que o apóstolo não disse para resistirmos, mas sim para fugirmos!

Devemos fugir dessas coisas; precisamos nos afastar dessas paixões e correr para os braços do Senhor e praticar a justiça, a fé e o amor e a paz.

Só conseguiremos fugir dessas paixões à medida que nos aproximamos de Deus, e para nos aproximarmos de Deus precisamos matar a cada dia o nosso ''eu'', a nossa carne, a nossa vontade, o nosso orgulho, e permitir que a vontade de Deus prevaleça em nossa vida.

- Priscila Gomes